EconomiaSociedade

Preços de 677 itens alimentícios sobem no Japão em dezembro

Entretanto, o número é consideravelmente menor em comparação com a média de 2.000 produtos que estavam passando por reajustes

Preços de 677 itens alimentícios sobem no Japão em dezembro

Tóquio, Japão – A partir de sexta-feira, no início de dezembro, os consumidores japoneses enfrentarão aumentos de preços em pelo menos 677 itens alimentícios de 195 fabricantes, de acordo com dados do Teikoku Databank.

Os condimentos lideram o aumento de preços, com 505 itens, incluindo molhos, seguidos pelos laticínios (167 itens), com destaques para manteiga e creme de leite devido a revisões nos preços do leite.

Publicidade
blank

Surpreendentemente, não haverá aumento nos preços de alimentos processados em dezembro, marcando a primeira vez em um ano, assim como nas bebidas alcoólicas, pela primeira vez em um ano e dez meses.

Apesar de o número de 677 itens ser significativamente menor do que a média de 2.000 produtos que vinham sendo reajustados desde meados do ano, 2023 viu um total de 32.395 produtos com aumentos de preço, com uma média de 15% de reajuste, superando os números de 2022.

A partir de meados de 2023, o ritmo de aumento começou a diminuir devido a fatores como a adaptação gradual dos preços e o impacto do “cansaço de inflação” entre os consumidores, que reduziu a quantidade de produtos vendidos. Como resultado, o total de aumentos foi menor do que os 35.000 inicialmente previstos para o ano.

Para 2024, já foram anunciados aumentos de preços em 1.596 produtos, incluindo azeite de oliva, gergelim, temperos e alimentos congelados.

Apesar de alguns meses, como fevereiro, terem mais de 1.000 produtos com aumento de preço, este número representa uma redução significativa em relação a 2023.

A queda nas vendas após os aumentos de preços, juntamente com uma preferência crescente dos consumidores por produtos mais baratos devido à alta inflação e diminuição dos salários reais, contribui para essa tendência.

No entanto, existem pressões para aumentos futuros devido aos custos de logística e outros fatores. A longa desvalorização do iene e o aumento do preço do petróleo podem levar a reajustes subsequentes em itens como embalagens de papel, bandejas de alimentos e filmes plásticos.

Além disso, o aumento dos custos trabalhistas devido à escassez de mão-de-obra também pode resultar em aumentos contínuos de preços a partir de abril de 2024, exigindo vigilância contínua.

Foto: PhotoAC

Comentários
Publicidade
blank