Japão

Tsunami alcançou a costa do Japão em apenas 1 minuto após o terremoto, diz estudo

Governamental afirma que mais de 100 hectares na província de Ishikawa foram alagados

blank

Tóquio, Japão — Na sequência do poderoso terremoto de magnitude 7,6 registrado na segunda-feira (1) na península de Noto, em Ishikawa, as primeiras ondas do tsunami atingiram a costa em um minuto, de acordo com dados da NHK.

A informação foi divulgada por uma equipe de pesquisadores liderada pelo professor Fumihiko Imamura, do Instituto Internacional de Pesquisa em Ciência de Desastres da Universidade de Tohoku.

Publicidade
blank

Utilizando informações da Autoridade de Informação Geoespacial do Japão e do Serviço Geológico dos EUA, os pesquisadores conduziram uma simulação que indicou que o primeiro conjunto de ondas atingiu a cidade de Suzu cerca de um minuto após o terremoto, seguido pela cidade de Nanao dois minutos depois. Ambas as cidades estão localizadas na Península de Noto, no Mar do Japão.

A simulação também revelou que o tsunami alcançou a cidade de Toyama, próxima à península, aproximadamente cinco minutos após o terremoto, com a propagação de ondas contínuas para o norte e oeste do Japão ao longo de várias horas.

O impacto do tsunami na província de Ishikawa foi analisado pelo Ministério da Terra, revelando que pelo menos 100 hectares em dois municípios foram atingidos.

A cidade de Suzu teve 15 hectares do porto de Iida inundados, enquanto as áreas de Nunoura e Kurikawashiri, na cidade de Noto, totalizaram 27 hectares.

A extensão completa dos danos às residências e a profundidade das inundações ainda permanecem desconhecidas, mas os funcionários do ministério acreditam que a verdadeira extensão pode ser ainda maior.

Especialistas em terremotos apontam que o poderoso terremoto ocorreu em uma falha que se deslocou por cerca de 150 quilômetros, desde o ponto mais ocidental da península de Noto até uma área no Mar do Japão, próxima à Ilha Sado, na província de Niigata, a leste da província de Ishikawa.

A sequência de terremotos em Noto teve início em dezembro de 2020, em uma área de 30 quilômetros quadrados ao redor da cidade de Suzu.

O professor Hiroyuki Goto, especialista em engenharia sísmica na Universidade de Quioto, mencionou que um sismógrafo registrou um “pulso sísmico de longo período”, indicando a ruptura da falha.

Apesar dos tremores em Noto nos últimos três anos, os especialistas ainda não compreendem completamente a relação direta entre esses eventos sísmicos e o recente terremoto de grande magnitude.

Contudo, acreditam que a ruptura da falha começou na área dos terremotos anteriores e se espalhou por uma região mais ampla.

O pesquisador Yukinobu Okamura, do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia Industrial Avançada, sugeriu que o tremor de 1º de janeiro pode ter sido desencadeado por uma falha ativa no fundo do mar, indicando a complexidade dos eventos sísmicos na região.

Foto: Reprodução/NHK

Comentários
Publicidade
blank