Política

Kishida estabelece meta de 3 anos para recuperar economia do Japão

Ele busca o crescimento econômico por meio de aumentos salariais sustentáveis e investimentos sólidos

blank

Tóquio, Japão – O primeiro-ministro Fumio Kishida do Japão prometeu nesta segunda-feira (23) tomar medidas nos próximos três anos, incluindo cortes de impostos, para reativar a economia japonesa sufocada pela combinação de inflação elevada e crescimento salarial morno.

Kishida fez esse compromisso durante uma sessão extraordinária no Parlamento, em Tóquio, onde também prometeu fortalecer a capacidade de oferta do Japão com aumentos salariais sustentáveis e investimentos robustos.

Publicidade
blank

O premiê enfatizou sua prioridade na economia e enfrentar os desafios que a nação enfrenta, incluindo o aumento dos preços, prometendo soluções sem demora. Isso ocorre em um momento em que a aprovação de seu governo está em baixa desde que ele assumiu o cargo em outubro de 2021.

Kishida planeja lançar um novo pacote de estímulo econômico até o final de outubro e apresentar um orçamento suplementar para este ano fiscal para financiá-lo durante uma sessão extraordinária no Parlamento.

Ele também anunciou a extensão dos subsídios à gasolina, eletricidade e gás até a primavera de 2024, originalmente previstos para terminar no final deste ano.

O primeiro-ministro destacou a necessidade de apoiar os trabalhadores de baixa renda que enfrentam dificuldades devido aos preços cada vez mais altos, prometendo assistência financeira adicional através das autoridades locais.

Embora as receitas fiscais do Japão tenham atingido um recorde de 71,14 trilhões de ienes (474 bilhões de dólares) no ano fiscal de 2022, a taxa de aprovação do governo Kishida caiu para 32,3%, com muitos céticos em relação aos efeitos de um pacote de estímulo econômico.

Kishida também assegurou a implementação de incentivos fiscais para empresas que desejem aumentar os salários dos funcionários, mas não abordou planos para restaurar a saúde fiscal do Japão, que é a pior entre os países avançados.

Foto: Getty Images

Comentários
Publicidade
blank