Polícia

Índices de apoio ao governo do primeiro-ministro Fumio Kishida mostram declínio contínuo

Controvérsias familiares, falhas em sistema de identificação nacional e questões sobre a lei LGBT contribuem para a queda da popularidade do líder japonês

Índices de apoio ao governo do primeiro-ministro Fumio Kishida mostram declínio contínuo

Tóquio, Japão — O mais recente levantamento realizado pela agência Kyodo News, divulgado ontem, revela uma redução notável no apoio público ao governo do primeiro-ministro japonês Fumio Kishida. As estatísticas atuais mostram uma queda de 6,2 pontos percentuais para 40,8% em comparação à última pesquisa realizada no final de maio.

A pesquisa, realizada via chamadas telefônicas para uma amostra combinada de 525 linhas fixas e 2.469 celulares, constatou também que o índice de desaprovação aumentou de 5,7% para 41,6%.

Publicidade
blank

Nos últimos tempos, Kishida enfrentou repercussões negativas de uma série de eventos, entre eles, o escândalo envolvendo seu filho mais velho, que foi fotografado em uma festa privada na residência oficial do primeiro-ministro. Este incidente levou à demissão do jovem Kishida de sua posição como secretário executivo de seu pai.

Além disso, os problemas relacionados ao sistema nacional de identificação My Number, implementado em 2016, estão causando preocupações. Este sistema, que vincula dados pessoais, fiscais e previdenciários de cada residente do país, foi marcado por falhas e vazamentos de informações. Cerca de 71,6% dos entrevistados expressaram preocupação com a ampliação do uso do cartão My Number.

O plano de Kishida para combater a diminuição da taxa de natalidade, aumentando os gastos com cuidados infantis, também não teve o efeito desejado em sua popularidade. Segundo o estudo, 66,3% dos entrevistados não têm grandes expectativas em relação a esta iniciativa.

Outro ponto que afeta a aprovação de Kishida está relacionado à lei que promove maior compreensão das minorias sexuais, incluindo a comunidade LGBT. Apesar de 52,9% dos entrevistados afirmarem que esta medida contribuirá para combater a discriminação e o preconceito, 41,6% discordam.

Em termos de apoio aos partidos políticos, o Partido Liberal Democrático (PLD), de Kishida, ainda lidera com 35,5% de apoio, seguido pelo Partido da Inovação do Japão com 13,6% e pelo Partido Democrático Constitucional do Japão com 8,1%. Entretanto, destaca-se que mais de 26% dos entrevistados não apoiam nenhum partido político.

Foto: REUTERS

Comentários
Publicidade
blank