EconomiaJapão

Preços de mais de 30mil itens de alimentos e bebidas teve aumento neste ano

O instituto de pesquisa Teikoku Databank fez um levantamento e mostram que 4.634 itens terão preços mais altos este mês

Preços de mais de 30mil itens de alimentos e bebidas teve aumento neste ano

Tóquio, Japão – Empresas líderes do setor de alimentos e bebidas no Japão estão se preparando para implementar aumentos de preços em mais de 4.600 produtos a partir deste mês de outubro. Com isso, o número total de itens afetados por aumentos de preços ao longo deste ano ultrapassa a marca de 30.000.

De acordo com uma pesquisa conduzida pelo instituto de pesquisa Teikoku Databank, que envolveu 195 grandes empresas do setor de alimentos e bebidas, um total de 4.634 produtos verão seus preços ajustados para cima durante o mês de outubro.

Publicidade
blank

Isso eleva o total de produtos com preços mais altos para 31.887, tornando evidente um aumento significativo em relação ao ano anterior, quando, até o final do ano, foram registrados 26.237 casos de aumentos de preços.

A pesquisa do instituto Teikoku Databank destacou que aproximadamente 70% dos produtos com preços elevados neste mês são bebidas alcoólicas e refrigerantes. Isso, em parte, é atribuído ao aumento de impostos sobre produtos similares à cerveja.

Além das bebidas, os consumidores podem esperar pagar mais por alimentos processados, como presunto e salsicha, bem como por produtos de confeitaria, incluindo sorvetes e chocolates, a partir de outubro.

No entanto, é importante observar que o número de produtos com preços mais altos neste mês é cerca de 40% menor em comparação com o mesmo período do ano anterior, quando os preços de quase todos os itens aumentaram. Isso indica uma tendência de queda no número de produtos com preços mais elevados pelo terceiro mês consecutivo.

Os especialistas do instituto de pesquisa sugerem que essa tendência pode continuar ao longo deste ano, à medida que os aumentos nos custos das matérias-primas começam a diminuir e alguns fabricantes começam a reduzir os preços de seus produtos alimentícios.

Foto: Reprodução/NHK

Comentários
Publicidade
blank