Economia

Queda em produção das fábricas no Japão em setembro

O índice marcou a primeira queda mensal em quatro meses na produção industrial

blankFreepik
 A produção industrial do Japão caiu em setembro pela primeira vez em quatro meses, uma vez que os fabricantes foram atingidos pelo aumento dos custos das matérias-primas e pela desaceleração econômica global.
Mas em um sinal mais brilhante para a terceira maior economia do mundo, as vendas no varejo cresceram pelo sétimo mês consecutivo, elevando as esperanças de um aumento sustentável no consumo após a flexibilização dos controles de fronteira relacionados à Covid-19 para turistas estrangeiros no início deste mês.
A produção das fábricas caiu 1,6% em setembro em relação ao mês anterior, mostraram dados do governo nesta segunda-feira (31), acima da previsão mediana dos economistas de um declínio de 1,0%.
O índice marcou a primeira queda mensal em quatro meses na produção industrial e seguiu um aumento de 2,7% em agosto.
A confiança entre os fabricantes japoneses provavelmente azedou em outubro, mostrou uma pesquisa corporativa da Reuters no início deste mês, com a inflação entre as principais preocupações para os negócios do Japão.
Enquanto a taxa de inflação ao consumidor do Japão foi de 3,0% em setembro, os preços que as empresas cobram umas das outras subiram 9,7% no mesmo mês.
As pressões inflacionárias no Japão, dependente de importações, foram exacerbadas por uma queda prolongada do iene, que atingiu uma nova mínima de 32 anos em relação ao dólar americano neste mês.
Na sexta-feira, o governo anunciou um pacote de ¥39 trilhões (US$ 264 bilhões) como uma contramedida de inflação financiada por um orçamento extra de ¥29,6 trilhões, enquanto o Banco do Japão decidiu manter sua flexibilização monetária ultra-flexível inalterada para apoiar a economia frágil, mesmo com o risco de alimentar ainda mais a fraqueza do iene.
As vendas no varejo aumentaram 4,5% em setembro em relação ao ano anterior, estendendo uma recuperação desde março, quando o governo encerrou as restrições de coronavírus no país. Analistas esperavam um crescimento de 4,1%.
Na comparação mensal com ajuste sazonal, as vendas no varejo cresceram 1,1% em setembro.
Uma nova recuperação é esperada nos próximos meses, depois que o Japão facilitou os controles de fronteira em 11 de outubro para turistas estrangeiros.
Economistas consultados pela Reuters na semana passada esperam que a economia japonesa cresça 2,0% em termos anualizados entre outubro e dezembro, um pouco melhor do que a estimativa anterior, enquanto apontam que o maior risco para a economia do Japão no próximo ano é um período prolongado de aperto monetário nos EUA.
Foto: Freepik
Comentários
Publicidade
blank