Economia

Japão prepara a economia para crise envolvendo a China

Entidade reguladora foca no potencial risco geopolítico dos três megabancos japoneses e avalia preparação para possíveis sanções dos EUA à China

blank

Tóquio, Japão — Fontes anônimas revelam que a Agência de Serviços Financeiros do Japão (FSA) tem consultado os maiores bancos do país sobre os possíveis riscos que a China representa, especialmente em meio ao aumento das tensões com o ocidente.

A medida proativa, ainda não divulgada publicamente, visa garantir que as gigantes bancárias japonesas – Mitsubishi UFJ Financial Group (MUFG), Sumitomo Mitsui Financial Group (SMFG) e Mizuho Financial Group – estejam devidamente preparadas para as possíveis mudanças na geopolítica, como a questão do estatuto político de Taiwan.

Publicidade
blank

Com ativos combinados que somam US$ 6,5 trilhões, esses bancos, no final de março, detinham uma exposição total de crédito de cerca de US$ 64 bilhões à China, equivalente a aproximadamente 1% dos seus ativos totais, segundo seus relatórios financeiros.

Uma das preocupações centrais para estes bancos seria uma eventual imposição de sanções dos EUA à China, que poderia afetar suas operações comerciais, da mesma forma que ocorreu com as restrições impostas à Rússia após a invasão da Ucrânia.

Segundo uma das fontes, uma executiva do setor financeiro, a FSA tem pedido aos bancos para avaliar os riscos geopolíticos relacionados à China, mas não forneceu orientações específicas sobre as medidas que eles deveriam adotar. Em maio, durante uma reunião, a FSA questionou como um dos bancos avaliava o risco de suas operações na China.

Este movimento ocorre em meio ao acirramento das tensões entre a China e os aliados ocidentais, exacerbadas por uma série de conflitos, que vão desde a guerra entre Rússia e Ucrânia até disputas sobre a soberania de Taiwan e o acesso à tecnologia.

Empresas japonesas com operações multinacionais, lideradas por bancos, enfrentam o risco de serem afetadas por uma crise. A reação do regulador destaca o quão vasto pode ser o impacto de uma crise geopolítica, como a que envolve Taiwan, para a economia e os negócios globais.

Muitas empresas internacionais temem que um aumento das tensões possa levar à imposição de sanções dos EUA à China, e estão adotando medidas como a elaboração de planos de contingência e a investigação da capacidade de produção fora de Taiwan.

Para os bancos japoneses com grande exposição aos Estados Unidos, o impacto de quaisquer sanções ocidentais à China é provavelmente uma preocupação maior do que as consequências de sua exposição direta a Taiwan.

“A gestão de possíveis sanções à China seria extremamente complexa”, afirma o executivo do setor financeiro.

Foto: REUTERS

Comentários
Publicidade
blank