CiênciaCoronavírusJapão

Japão vai diminuir período de isolamento do COVID para acelerar recuperação econômica

blank

O primeiro-ministro Fumio Kishida disse nesta terça-feira que o Japão reduzirá o período de isolamento de pacientes com COVID-19 com sintomas para sete dias dos atuais 10 dias, sinalizando que acelerará os esforços para tirar a economia de uma crise causada pela pandemia de coronavírus.

O período de recuperação também será reduzido para os infectados, mas sem sintomas, para cinco dias a partir de sete dias, se forem negativos para o vírus. Kishida disse que seu governo finalizará as revisões depois de ouvir opiniões em uma reunião de especialistas em saúde na quarta-feira.

Publicidade
blank

Segundo o primeiro-ministro,  o Japão iniciará as inoculações este mês contra a variante Omicron visando pessoas com 12 anos ou mais e que pretende dar mais de 1 milhão de injeções por dia entre outubro e novembro.

“Vamos avançar com a transição para uma nova fase de (viver) com o coronavírus e aumentar nossos esforços para equilibrar (prevenir a infecção e promover) as atividades socioeconômicas”, disse Kishida no gabinete do primeiro-ministro. O número de novas infecções está em tendência de queda, acrescentou.

Cerca de 112.000 novos casos de coronavírus foram relatados no Japão na terça-feira, uma queda de 40.000 em relação à semana anterior. O número de mortes permaneceu relativamente alto, acima de 300.

Em Tóquio, o governo metropolitano confirmou mais 9.486 casos. A média móvel de sete dias de novas infecções da capital ficou em 11.610 por dia, uma queda de 34,5% em relação à semana anterior.

Kishida disse que o governo também revisará o sistema detalhado de relatórios de coronavírus em todo o país, a partir de 26 de setembro, como parte dos esforços para reduzir a carga sobre hospitais e centros de saúde locais depois que a cepa Omicron aumentou acentuadamente os casos e deixou o sistema médico sobrecarregado. .

Com a mudança, os municípios vão estreitar o escopo de notificação detalhada para pacientes com alto risco de desenvolver sintomas graves, como pessoas com 65 anos ou mais e aquelas que necessitam de hospitalização. Algumas prefeituras já introduziram o novo método.

Embora haja a preocupação de que tal revisão possa impossibilitar a compreensão da tendência de infecção, Kishida disse: “Continuaremos a entender o número total de pessoas infectadas, incluindo aquelas que não estão sujeitas a relatórios detalhados, melhorando o sistema. “

O Japão foi atingido por sua sétima onda de infecções por coronavírus. Mas, como busca “viver com o coronavírus”, o governo não impôs restrições rígidas e vem afrouxando as medidas de controle nas fronteiras.

Comentários
Publicidade
blank